Enfermidade epidêmica
Amplamente disseminada
Flagelos e grande polêmica
Numa sociedade enclausurada

A estatística não para
A todo momento um corpo se esvai
Na minha visão a coisa é clara
De tudo isso o que se abstrai?

Quem se preocupa com as almas
Aonde está o amor?
O dinheiro dá poder, tornou-se arma
A justiça perdeu seu valor

Consciências adoecidas
Pressionadas pelo sistema
Virou clichê a frase suicida
No palco a política e o dilema

Lobos devoradores
Saqueiam a céu aberto
Corja de opressores
Julgando ainda serem certos

O engano não se cansa
E trabalha na calada da noite
Muitos choram sem esperança
Enquanto dobram os açoites

Uma terra de ninguém
Empesteada pelo mal
A verdade ficou aquém
Amordaçaram o divinal

A contaminação vai além
Do pó miúdo da matéria
Ilusões dominam e tornam reféns
As almas simples e ébrias

Por Michele Mi 
Tema sugerido por: Simone Nascimento – Taboão da Serra/SP

Participe você também dos poemas! Faça sua sugestão enviando um tema. Ele será veiculado aqui e no site www.razaodavida.com acesse!

Comentários Facebook

Deixe uma resposta