Metaforicamente o coração representa a consciência, esta consciência por sua vez trata-se de um estado que podemos chamar até de estado mental e metaforicamente também falando este estado vai depender das condições climáticas que será demonstrado por seu comportamento. O inverno, por exemplo, representa uma estação fria, retratando uma consciência calculista, que faz as coisas conscientemente do que está fazendo, que não tem emoção, que não demonstra piedade, mas só crueldade, um estado de pobreza afetiva. O outono já é uma estação úmida, que a terra está se preparando para o plantio, é o estado de uma consciência receptiva, atenciosa, sempre pronta para ouvir, é uma estação de fertilidade, de aprendizado. A água simboliza a palavra que em uma terra fértil, ela germina.

A primavera é a estação das flores onde tudo que uma consciência vê, acha bonito, é uma estação na qual sentimos o aroma no ar, só de a pessoa chegar perto você já sente o cheiro, o cheiro da felicidade, do bom humor, da esperança, a pessoa fica leve e solta, despontando frutos bons, ações de amor, de carinho, de amizade, de compreensão, onde tudo que você toca se transforma em bênçãos, um carinho para com todos, um ombro amigo, uma mão que levanta. A estação do verão é a estação onde os frutos ficam doces com o calor do sol, eles amadurecem pelo calor da vida pronto para o consumo, é a estação que fazemos sucos maravilhosos que adoçam as nossas bocas e refrescam as nossas almas, as consciências ficam despreocupadas, pois é época de fartura, época da colheita, de colher os frutos bons que plantamos, colhermos amizades, o amor fraternal, a vida eterna do espírito e todas as bênçãos de Deus enchem os nossos celeiros. É a estação onde temos que repartir o nosso pão com os famintos, com os sobrecarregados, falarmos uma palavra de paz, de esperança, levantar todos os que estão caídos.

Temos que entender que essa nossa vida aqui no mundo é um ciclo, somos considerados como pé de ervas e o fruto que produzimos são as nossas consciências, e deste fruto temos que cuidar para o proveito eterno do propósito de Deus. Quando este fruto estiver maduro temos que colhê-lo do pé de erva que é a carne, para o proveito do espírito de Deus, ele viverá por esta consciência eternamente lá no plano do céu, este seria o ciclo natural da vida, mas temos que entregar as nossas consciências ao espírito de Deus antes que ele vá embora, pois se ele for embora antes de nos fazermos uma com ele, entraremos no nosso inverno eterno.

Por Michele Mi

Comentários Facebook

Deixe uma resposta