No sereno, ao relento
Indigna, atormentada
Presa como os detentos
Uma alma encarcerada

A vida passa e ninguém vê
Sua formosura parece oculta
Desfrutam dela do lado de fora
Mas o interno está na penumbra

Corações amargos
Internos vazios
Peito dilacerado
Um mundo tão sombrio

A maldade anda a solta
E a verdade não é bem vinda
Quem fala em nome da justiça querem tapar a boca
Não sentem prazer na sabedoria

Eu vejo a vida encostada na calçada
Como diz uma linda canção
A vejo pedindo esmola nos bancos das praças
Mas ninguém lhe dá atenção

Ela queria ser manifestada
E habitar cada alma
Ser brindada e festejada
Em um peito que transborda calma

Mas onde estão os puros
Os olhos de lince do bem?
Só vejo um grande muro
Olhares perdidos no além

O entendimento está distante
Onde a ignorância impera
Almas tão inconstantes
A tristeza reinou nesta esfera

Por Michele Mi 
Tema: Maria Lúcia – Martins/RN

Participe você também dos poemas! Faça sua sugestão enviando um tema. Ele será veiculado aqui e no site www.razaodavida.com acesse!

Comentários Facebook

Deixe uma resposta