Cuidadora do idoso teve prisão temporária decretada e um dos outros três autores foi identificado - Divulgação/Yasmin Campos-SSP
Cuidadora do idoso teve prisão temporária decretada e um dos outros três autores foi identificado - Divulgação/Yasmin Campos-SSP

A Polícia Civil esclareceu nesta sexta-feira (21) as circunstâncias do roubo à residência que resultaram na morte de um médico de 93 anos, na quinta-feira (20), na Consolação, no centro da capital. A cuidadora do idoso, de 38 anos, teve a prisão temporária decretada e um dos outros três assaltantes foi identificado.

Na ocasião do crime, os policiais militares que atenderam a ocorrência foram informados que o proprietário do imóvel e uma auxiliar de enfermagem haviam sido rendidos. Posteriormente, o médico teria falecido em decorrência da ação.

Imagens de câmeras de segurança captaram o delito e mostraram três suspeitos chegando no prédio em um carro. Os criminosos saíram, horas depois, carregando um cofre que estava no apartamento da vítima.

O caso foi registrado no 78° Distrito Policial (Jardins), chefiado pela delegada Zuleika Gonzalez Araújo, que, juntamente com sua equipe, iniciou o processo de apuração dos fatos. “A doutora passou mais de 20 horas se debruçando em cima do caso e pegando todos os rastros que o crime foi deixando, até conseguir desvendar esse delito bárbaro”, ressaltou o delegado Albano David Fernandes, diretor de Departamento de Polícia Judiciária da Capital (Decap), durante entrevista coletiva.

De acordo com Zuleika, a conclusão da participação da cuidadora e a identificação de um dos outros três envolvidos foi feita por meio de ferramentas de investigação e inteligência. “Foram encontradas contradições no depoimento da cuidadora. Ela acabou confessando que entregou as chaves do apartamento para o suspeito, informou sobre o cofre e confessou a participação no delito”, explicou.

Policiais civis realizaram diligências até a residência do autor identificado, na quinta (20), mas não o encontraram. A esposa do suspeito estava na casa e foi conduzida ao distrito. “Na delegacia a mulher informou que conhecia a cuidadora e também reconheceu o marido nas imagens”, esclareceu a delegada.

A cuidadora teve a prisão temporária decretada pela Justiça e já foi solicitada a prisão do suspeito identificado. As investigações prosseguem para identificar e deter os outros dois homens envolvidos no crime.

O diretor do Decap explicou que é muito comum pessoas que trabalham em residências falarem da vida dos patrões e recomendou muito cuidado. “É preciso ter muita cautela na hora de contratar um cuidador. É preciso conhecer a pessoa e checar os lugares onde ela já trabalhou. Todos os cuidados são necessários”, disse.

Fonte: SP Notícias

Comentários Facebook

Deixe uma resposta