Miguel Reale Jr., autor dos pedidos de impeachment contra Collor e Dilma, comentou declaração de Bolsonaro contra jornalista da 'Folha'
Miguel Reale Jr., autor dos pedidos de impeachment contra Collor e Dilma, comentou declaração de Bolsonaro contra jornalista da 'Folha'

Nesta terça-feira (18), o Presidente da República Jair Bolsonaro fez insinuações sobre o trabalho da jornalista Patrícia Campos Mello, repórter do jornal ‘Folha de S.Paulo’, e causou enorme polêmica pelo tom do comentário. “Ela queria um furo. Ela queria dar o furo a qualquer preço contra mim”, disse Bolsonaro aos risos na saída do Palácio da Alvorada sobre uma declaração na CPI das Fake News que citava a profissional.

O comentário surgiu após um ex-funcionário de uma agência de disparos de mensagens em massa por WhatsApp, Hans River, dizer na CPI das Fake News no Congresso que a jornalista da ‘Folha’ teria se insinuado sexualmente para obter informações de Bolsonaro. No entanto, o jornal informou que as alegações são falsas e que a profissional teria provas de que River foi quem teria mandado mensagens para a jornalista.

Após o xingamento de Bolsonaro, a ‘Folha de S.Paulo’ emitiu nota informando que “o presidente da República agride a repórter Patrícia Campos Mello e todo o jornalismo profissional com a sua atitude”. “Vilipendia também a dignidade, a honra e o decoro que a lei exige do exercício da Presidência”, diz o texto.

Com a repercussão do caso, o jurista Miguel Reale Jr., autor dos pedidos de impeachment contra Collor e Dilma, comentou o assunto e disse que Bolsonaro pode sofrer impeachment.

Em entrevista para a revista ‘Veja’, Reale Jr. disse que a forma como Bolsonaro se referiu à repórter fere o decoro presidencial e permite que um processo de impeachment seja aberto contra ele. “Bolsonaro desrespeitou a jornalista, a mulher e o ser humano. É algo que ofende mais profundamente a dignidade humana, e não só o decoro. Sem dúvida, isso se enquadra como crime de responsabilidade”, afirmou.

O jurista disse que embora veja a possibilidade de Bolsonaro perder o mandato, que não formulará nenhuma representação contra o presidente. “Já redigi o [pedido de impeachment] do Collor e o da Dilma. Agora quero assistir ao do Bolsonaro”, finalizou.

Fonte: Notícias ao Minuto

Comentários Facebook

Deixe uma resposta