Sentimentos, ah! Sentimentos Não tem como decifrá-los Só a alma que sente o mesmo Consegue de verdade tocá-lo
Sentimentos, ah! Sentimentos Não tem como decifrá-los Só a alma que sente o mesmo Consegue de verdade tocá-lo

Perdida, inquieta
Esta era a sensação
Não sabia quem eu era
Estava à deriva no mar de ilusão

As ondas eram fortes
Levavam-me pra lá e pra cá
Sem rumo, sem um norte
Distante do meu cais

De repente um clarão
Fez-me voltar-me para dentro
Lá no fundo do coração
Caminho do verdadeiro rebento

Quão grande minha imensidão
Tinha muito a desvendar
Vivia na superfície
Mas mergulhei nesse mar

Então a luz resplandeceu
E nela eu quis tocar
Abri as portas da minha alma
Sentimento de arrepiar

Subi no alto da montanha
E o que senti não dá pra explicar
Chorei feito criança
Deixei meu imo flutuar

Sentimentos, ah! Sentimentos
Não tem como decifrá-los
Só a alma que sente o mesmo
Consegue de verdade tocá-lo

Vou trilhando a vereda da vida
Tentando tocar algum coração
Na companhia da sabedoria
Que amplia nossa visão

Comentários Facebook

Deixe uma resposta